BH também é Carnaval — e dos grandes

A primeira coisa que preciso dizer nessa postagem é que eu não sou muito fã de Carnaval, porém esse ano resolvi fazer diferente, resolvi experimentar de verdade antes de descartar de vez a hipótese de que ele possa me agradar de alguma forma. Então resolvi escrever sobre essa mini-aventura e fazer um pequeno guia para os novatos como eu, ou mesmo aqueles que também não gostam mas vão fazer o possível para aproveitar o Carnaval de BH. Venha descobrir comigo!

 

Dica número 1: Faça uma fantasia. “Mas Victor, é meu primeiro Carnaval e já quer que eu me fantasie?”.

Sim! A melhor forma de você se misturar e curtir de verdade é não parecer estranho ao ambiente, tente fazer parte. Use coisas que tem em casa e não precisará gastar quase nada de dinheiro com isso. Deem uma olhada nos exemplos:

 

Fantasias-01

 

Dica número 2: Vá com seus amigos

Dizem que as pessoas fazem o lugar, então vá com pessoas que você goste e divirta-se.

Apesar de estar em grupo fique atento a seus pertences. Leve o mínimo possível de coisas e tome cuidado com assaltos, infelizmente acontecem bastante. Não esqueça de levar um documento de identificação.

 

Dica número 3: Água e protetor solar

BH tá muito quente gente! Bebam muita água — além da água que tem na cerveja hahahahaha. Usem protetor solar porque o sol não está de brincadeira. Não se preocupe se não conseguir levar de casa, nas ruas tem muitos ambulantes vendendo água e outras cositas para sobrevivência.

 

Dica número 4: Finalmente! Os blocos.

Agora sim, o mais esperado. “Em quais blocos devo ir?”

Este ano são esperados 2,5 milhões de “foliões” segundo a prefeitura. Sim, milhões. São mais de 300 blocos durante 6 dias inteiros, começando na próxima sexta-feira, dia 24/2.

A minha dica é que você consulte a programação completa que vou deixar no fim do texto, faça sua lista, combine com seus amigos e faça tudo de forma organizada para aproveitar o máximo possível. Para quem está começando como eu é bom saber que alguns blocos são parada obrigatória. Vou listar os que considerei mais importantes, tanto pelo tamanho quanto pela importância para o Carnaval de BH.

Também temos um desfile de escolas de samba com carros alegóricos e tudo mais. Não são tão comentados quantos os blocos, mas vale a pena conhecer, são um show a parte no nosso Carnaval. Confira minhas sugestões:

 

Baianas Ozadas

O maior bloco de BH, Baianas Ozadas, completa 5 anos em grande estilo, homenageando Moraes Moreira, um ícone do Carnaval da Bahia e do Brasil inteiro.

 

 

Então, Brilha

O bloco “Então, Brilha” arrasta uma multidão pela rua Guaicurus, no centro de Belo Horizonte.

 

 

Praia da Estação: Não é um bloco, mas é nossa praia UAI!

 

 

Bom, termino aqui meu mini-guia para iniciantes, até porque sou um deles. Quem sabe não volto para contar como foi a experiência? Vou deixar vocês se preparando para a festa e vou também. Fiquem com o link da programação completa do Carnaval de BH:

 

https://confiramais.com.br/carnaval-bh-programacao-belo-horizonte-atracoes-e-blocos-de-rua/

 

Boa folia!

 

(mais…)


La La Land – Cantando Estações

Hello Pipol, tudo bem com vocês?

Sempre fui apaixonada por musicais – inclusive tive a oportunidade de estudar por um semestre e amei – e quando ouvi falar pela primeira vez em La La Land, meus olhos brilharam.

A Lully de Verdade tem um vídeo maravilhoso onde ela faz a resenha do filme sem spoiler, e foi ali que decidi que esse seria o filme que dividiria o espaço de ouro no meu coração com Titanic.

Tom Hanks disse que de longe esse é seu filme favorito, e várias pessoas que detestam musical avaliaram o filme positivamente. Diante disto, não aceitaria ver o filme de uma forma diferente que não fosse no cinema. E agora, é a minha vez de dar os pitacos…

Sinopse

Ao chegar em Los Angeles o pianista de jazz Sebastian (Ryan Gosling) conhece a atriz iniciante Mia (Emma Stone) e os dois se apaixonam perdidamente. Em busca de oportunidades para suas carreiras na competitiva cidade, os jovens tentam fazer o relacionamento amoroso dar certo enquanto perseguem fama e sucesso.

La La Land - Cantando Estações

Não conheço muito de cinema, mas posso dizer que achei o roteiro incrível. A história de amor é contada através das estações, e cada uma delas representa as fases dos personagens. A forma como eles se relacionam consigo e com o outro. Durante as estações eles se encontram, desencontram e alimentam sonhos.

A fotografia foi bem utilizada para facilitar a identificação destas estações que podemos chamar também de fases.

O figurino é beeem colorido e passa um clima tropical. Apesar de nunca ter ido a Los Angeles, consigo imaginar o clima, o cheiro, a vibe da cidade só de ver a ambientação e os figurinos.

La La Land - Cantando Estações

O filme é na verdade, uma homenagem aos tempos de ouro de Hollywood e trás referências clássicas como Cantando na Chuva, Juventude Transviada, Amor Sublime Amor e muito mais!

Emma Stone sapateando ao lado de Ryan é de deixar qualquer um de queijo caído, sem contar que o bonito não usou nenhum dublê de mão nas cenas em que toca piano. Isso significa que sim, ele aprendeu a tocar para interpretar este papel e arrasou!

A direção de Damien Chazelle que teve destaque em Whiplash que teve cinco indicações ao Óscar. Agora com La La Land tendo 15 indicações ao Óscar, o bonito segue com 19 indicações para ganhar a estatueta. Demais, né?

Dizem que o roteiro de La La Land foi escrito antes de Whiplash, mas não foi tão bem recebido, diante das alterações que a produção gostaria de fazer, Damien decidiu deixar pra depois. E não é que a tática deu certo?

 

É de longe um dos filmes mais lindos que já vi! Fiquei apaixonada com a complexidade dos personagens e a forma que eles desenvolvem suas relações, as músicas são incríveis, a coreografia, a fotografia… Foi tudo muito bem pensado. Estou completamente apaixonada!

E vocês, gostam de musicais?

Beeijos e até a próxima!


Pedaço de Música: Trilha Sonora de Filme

Hello Pipol, tudo bem com vocês?

Semana passada fui assistir La La Land no cinema e saí de lá muito inspirada. Por isso gostaria de contar pra vocês a minha trilha sonora favorita nos filmes.

Pedaço 5:  Dois Mundos – Tarzan

Não posso negar minhas origens e esquecer das músicas que fizeram a minha infância acontecer. Até hoje quando escuto, sinto meu coração bater mais forte. Posso dizer que Tarzan é uma das animações mais lindas da Disney.

A letra é muito bonita e passa uma lição de determinação e humildade.

(mais…)


Linha Transição Capilar – Fina Flor

Hello Pipol, tudo bem com vocês?

No ano passado fui convidada pela Fina Flor para conhecer sua nova Linha Transição Capilar. Depois de algum tempo testando, vim contar pra vocês o que achei dessa proposta inovadora.

Antes da Fina Flor, não encontrávamos linhas completas dedicadas a transição capilar. A marca percebeu que para voltar aos cachos, várias meninas costumavam garimpar shampoos, cremes, condicionadores, ativadores de cachos e através das misturinhas alcançar um resultado que considerassem agradável. Diante disso, dedicaram-se na criação de uma linha exclusiva, onde o costume da misturinha ainda é estimulado.

Proposta da marca

Para quem cansou da química (e dos químicos) e quer trazer de volta seu cabelo natural e seus cachos maravilhosos, a Fina Flor desenvolveu os produtos TRANSIÇÃO CAPILAR, com ativos superpoderosos, alta tecnologia e sem nada de petrolatos, silicones, parabenos, sulfatos ou EDTA. Para ajudar você a cuidar de seu cabelo com todo carinho, até seus cachos voltarem triunfantes! E para você continuar cuidando depois.

A caixinha que recebi contém 1 shampoo, 1 condicionador, 1 máscara de hidratação, 3 ampolas (hidratação, nutrição, reconstrução), 1 leite day after, 1 creme de pentear. Além desses mimos, recebi uma mochilinha e minha primeira fronha de seda *–*.

Linha Transição Capilar - Fina Flor

Shampoo: 500 ml – R$29,90 (em média)

Traz de volta a suavidade que seu cabelo precisa pra sair da química e voltar pro natural! Combate a queda, estimula o crescimento, cuida do seu couro cabeludo. (Nota do fabricante)

O shampoo é transparente e tem uma consistência mais líquida. Trás uma sensação de limpeza já na primeira aplicação, você não sente o cabelo ressecado e o cheiro é incrível!

Condicionador: 500 ml – R$29,99 (em média)

Muito brilho e nutrição, pra vencer a transição. Óleo de babaçu para dizer adeus ao frizz e hidratar. Manteiga de Murumuru para nutrir sem engordurar. Tudo de brilho e maciez. (Nota do fabricante)

O condicionador facilita o desembaraçar e realmente trás a maciez prometida. A consistência é um pouco pastosa, mas nada que comprometa a aplicação.

Linha Transição Capilar - Fina Flor

Day After: 250 ml – R$25,90 (em média)

O leite para day after é um show a parte. Muito cheiroso, tem a consistência de um leite mesmo e tem um alto poder de definição dos cachos. Minha família inteira ficou apaixonada: minha mãe, meu irmão, minha tia e até meu padrasto! Gostamos tanto que minha mãe comprou mais um para evitar briga, hahahaha’.

A única coisa que achei desagradável é o tamanho do pomp para aplicação, é muito pequeno e é preciso um pouco de paciência.

Creme para pentear: 500 ml – R$19,99 (em média)

A primeira coisa que chamou minha atenção foi o tamanho da embalagem de creme para pentear. Gente, nós sabemos o quanto cabelo cacheado gasta em creme, né? Achei esse ponto suuuuper positivo, já que geralmente o creme acaba primeiro 😀 .  A consistência é mediana, nem muito denso, nem muito líquido. Um dos produtos mais cheirosos da linha.

Linha Transição Capilar - Fina Flor

Creme de hidratação: 500 ml – R$32,90 (em média)

Manteiga de Murumuru, Óleo de Babaçu: Nutrição, proteção, hidratação e nada de frizz, de um jeito bem brasileiro!
Com a Máscara Base Transição Fina Flor é você quem faz a máscara que o seu cabelo precisa. Você escolhe qual aditivo ou aditivos, seu cabelo está precisado, mistura e pronto! Sua máscara personalizada! E o melhor é que você pode fazer a quantidade que você vai usar, assim da próxima vez, pode criar uma máscara diferente. (Nota do fabricante)

A máscara base me deixou um pouco desapontada por sua textura. É muito densa e sem os óleos e aditivos, fica meio impossível de usar. Sozinha ela não tem um bom desempenho nem facilita o desembaraçar. Já com os óleos, cumpre bem sua função.

Linha Transição Capilar - Fina Flor

Aditivos: 60 ml – R$9,90 cada (em média)

Os aditivos foram para mim como uma boa novidade. Geralmente, as linhas completas envolvem apenas shampoo, condicionador, creme de pentear e creme de hidratação. Neste caso, os aditivos podem ser usados com a máscara base da linha ou outros cremes de sua preferência. Assim como podem ser misturados a outros aditivos.

Considerações finais

De forma geral gostei muito da novidade apresentada pela Fina Flor. É bom ver que as marcas pensam na gente, né?

A melhor parte é que além de muito cheirosos, TODOS os produtos são liberados para Low Poo. Aêeee!!! Assim todos os gostos são contemplados.

Chega daquela saga de ler rótulo pra saber se cada produto é liberado ou não. Podemos dormir tranquilamente economizando tempo nas “burocracias” e gastando mais tempo cuidando de nós mesmas.

Linha Transição Capilar - Fina Flor

Outra coisa que a amei nesta linha é que os produtos podem ser facilmente combinados a outros e introduzidos na nossa rotina. As embalagens são modernas e bem anatômicas. Os bicos dosadores são práticos e facilitam na aplicação. Toda a linha favorece a definição dos cachos, já que no processo de transição é isso que as pessoas mais procuram. No fim das contas, a linha cumpre bem o que promete, e a gente ama!

Essa linha ganha nota 9 em 10!

E aí, o que acharam?

Beeeijos e até a próxima! 😉

 

 

 

 

 

(mais…)


Eu abri mão de um amor

Eu abri mão de um amor, ainda que o meu maior desejo é que ele não acabasse. Pelo contrário! Queria ter a oportunidade de viver tudo o que ele me oferecesse. Estava pronta para o pior. O que eu não podia permitir, era que ele nunca acontecesse.

Mas então o momento chegou, e eu abri mão deste amor. Ainda não sei bem ao certo o que me convenceu que aquele era um caminho sem volta, sem frutos. Talvez o seu desinteresse em assumi-lo, ou a minha falta de disponibilidade. O fato, é que aguardei todo esse tempo, o dia em que você me ligaria dizendo que por você tudo bem, que a gente seria feliz.

Esperei seu sorriso manifesto no passeio do museu, na torta de limão, no abraço deitado na grama do parque. A gente contaria as besteiras em um tom poético e gargalharia de todas as ironias sutis. A gente viveria como se esse amor fosse tudo o que nos pertencesse na vida, e o desejo nos guiaria até descobertas que decidimos viver juntos.

Eu abri mão de um amor

Esperei telefonemas, cartas, doces, histórias. Mas nada disso passou de ilusões dentro da minha cabeça. Desejei tanto estar contigo, que recriei minha rotina, meus gostos, os sonhos, tudo pra encaixar você comigo de alguma forma isso desse certo.

Eu tentei ouvir sua voz no silêncio, e me convencer que você também sentia o mesmo. Tentei gritar com o meu desespero. Busquei outras formas de perceber que teríamos uma solução desde que estivéssemos juntos.

E no fim, eu acordei de um sonho percebendo o quanto sonhei sozinha, sofri sozinha, amei sozinha. Talvez seja por esse motivo que eu abri mão de um amor enquanto esperava você me dizer: “Por favor, não vá!”.

Mas adivinha? Você não disse.

Créditos: Imagens retiradas do tumblr.

Beeeijos e até a próxima! 🙂

 


O dia que abalou minha fé – a falta de empatia 2 comentários

Dia 3 de fevereiro de 2017, a data do falecimento da ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva e o dia que me marcou e me mostrou como o Brasil está doente. Essa foi umas das situações que abalaram minha fé na melhora do nosso país.

Tudo começou alguns dias antes do falecimento, quando Dona Marisa ainda estava internada e em coma induzido. Lula a acompanhava no hospital quando algumas senhorinhas resolveram fazer protestos contra o ex-presidente na porta do hospital. Acho que a morte virou uma coisa tão banal e tão cotidiana que as pessoas não pensam na gravidade e no desrespeito por de trás de seus atos.

 

Mulheres-marisa-lula-sirio-libanes

Mulheres foram até o Sírio Libanês protestar contra Marisa e Lula. Elas pediam que a ex-primeira-dama fosse transferida para o SUS.

 

Após a nota de falecimento de Marisa, como esperado, a repercussão foi grande, e eu que pensei que um protesto à porta do hospital já fosse algo desrespeitoso, não esperava o que estava por vir; imagine só que todo esse ódio político que vivemos hoje no país levaram várias pessoas a se aproveitar da morte de uma pessoa para reforçar sua ideologia ou para criticar um outra. Veja só dois exemplos:

De um lado havia pessoas comemorando a morte de Dona Marisa por ela ser petista, esposa de Lula, comunista, etc. De outro lado apareceram os que culpam o juiz que estava investigando crimes da família Lula da Silva.

Sinto que as pessoas perderam totalmente a empatia pelo próximo, estão cegos por pensamentos extremos, nossa sociedade está verdadeiramente doente, claro que é uma parcela desumanizada, mas, infelizmente, ela tem reverberação nas mídias.

Este é só um dos casos que vêm ocorrendo no nosso país nos últimos anos. As pessoas estão usando tragédias para ganhar a mídia e reforçar seus ideais políticos, sociais, religiosos, dizem que fazem pelo bem de todos, mas nisso perdem sua humanidade.

O que trago com esse texto é a reflexão: Onde foi que nos perdemos?

Separei um curta metragem, Neighbours, do cinegrafista Norman McLaren, tem oito minutos de puros tapas na cara. O canadense produziu uma história de dois cordiais vizinhos que, diante do nascimento de uma flor, fazem da sua convivência uma batalha até a morte.

 

 

A conclusão a que chego é que os conflitos que temos passado são mais causados pela agressividade que alimentamos e pela nossa dificuldade de sentir compaixão do que pelos desacordos em si.

É importante que olhemos para nós mesmos, todos os dias, com o carinho de quem olha para um filho. Só assim conseguimos trabalhar nossas dificuldades e exercitar um olhar mais carinhoso com os nossos vizinhos.

 

Victor Ribeiro


Pedaço de Música: Mulheres do sertanejo

Hello Pipol, tudo bem com vocês?

O vício chegou aqui e a gente precisa aplaudir porque elas estão dando show. As mulheres do sertanejo estão deixando muitos marmanjos no chinelo e isso não é novidade. Então vamos a nossa seleção das chicletinhas que não desgrudam da mente!

Pedaço 5: Loka – Simone e Simaria feat. Anitta

Começamos com a dupla mais Kadarshian deste Brasil que emplacou vários hits durante 2016. O mais recente é esse feat super poderoso com a Anitta.

Vamos combinar que a letra está super emponderada, né?

É hoje que a gente vai entender quem é quem! Chega de confusão com os nomes das bonitas, né?

(mais…)


Sobre regar a alma de inspiração

Hello Pipol, tudo bem com vocês?

Gosto de me sentir inspirada. Sabe quando começamos um projeto cheio de vontade, então você só consegue pensar em novas formas de levar isso adiante? Arrisco dizer que é o melhor sentimento que já senti na vida. 

Ao longo dos anos percebi que não existe sonho realizado sem inspiração, e não existe inspiração sem referência. Na era da informação, temos contato com todos os assuntos de formas variadas. Todos os gostos podem ser contemplados. E vamos combinar, tem coisa melhor do que ter opção?

A arte sempre foi para mim uma forma de inspiração. É dela que trago minhas reflexões, a vontade de continuar cantando e falando o que acredito. O teatro, a dança, a música, as artes visuais, quadros e poemas… Toda forma de se expressar, para mim é como um presente.

Sobre regar a alma de inspiração

Imagem retirada do tumblr.

Gostaria de trazer pra vocês um pouco do que tenho recebido ao longo dos anos através dos covers, das resenhas de livros, e das dicas maravilhosas para que a gente continue surtando com amor.

Recomendo sempre a Campanha de Popularização do Teatro e da Dança. Pra quem não sabe, é uma campanha que acontece 1 vez ao ano e tem como propósito tornar as peças teatrais mais acessíveis. A intenção é que todos tenham acesso à preços populares.

A variedade de peças é gigantesca e abrange várias categorias, como: musicais, comédia, drama… Grupos experientes e inciantes, o que não falta é opção!

Eu desafio você a assistir alguma peça e não sair de lá inspirado. Maiores informações vocês encontram no site da Sinparc. Lembrando que a campanha vai até 19/02.

Sobre regar a alma de inspiração

Além das peças que estão em cartaz na campanha, o Palácio das Artes e Sesc Palladium sempre exibem filmes alternativos gratuitos com retirada de ingresso 30 minutos antes de cada sessão. Vale muito a pena conferir!

 

A arte nos ensina sobre nós mesmos as questões estéticas e os questionamentos que a maioria de nós trás durante a vida. Ela basicamente nos guia no mundo dos sonhos e inspirações. Assim como a moda, a literatura, as viagens…

Precisamos de algo que nos leve além da nossa rotina.

Espero que vocês tenham encontrado nesse post um novo motivo para conferir filmes e peças teatrais.

Beeeijos e até a próxima! 😉


Primeiros Erros (Cover)

Hello Pipol, tudo bem com vocês?

O vídeo de hoje trás o cover de uma das primeiras músicas que aprendi a tocar no vilão. Primeiros Erros ganha meu coração por sua letra reflexiva e melodia maravilhosa. Lembro que cantei essa música em uma audição da escola de Teatro Musical pra conseguir uma bolsa de estudos, e passei!

(mais…)


Existem sonhos que nunca morrem

Hello Pipol, tudo bem com vocês?

Se tem uma coisa que me sustentou na adolescência, foi sonhar de todo coração. Basicamente criei um mundo paralelo onde sobrevivo nos meus sonhos. Isso já me salvou muitas vezes do ceticismo, como me tirou da minha realidade e me privou de viver o aqui e agora.

Quando os sonhos saem do controle, corremos o risco de viver neste lugar dentro de nós e não aceitar a realidade que nos cerca. Isso se torna um problema quando precisamos ser resilientes.

resiliência

substantivo feminino
  1. 1.
    fís propriedade que alguns corpos apresentam de retornar à forma original após terem sido submetidos a uma deformação elástica.
  2. 2.
    fig. capacidade de se recobrar facilmente ou se adaptar à má sorte ou às mudanças.

A resiliência é necessária quando precisamos nos adaptar no mundo a nossa volta. Aceitar a nossa realidade é o primeiro passo para entender o que precisamos fazer para crescer. Abraçar a vida real é o primeiro passo para a realização de um sonho.

Percebi que quanto mais eu negava aquilo que me cercava, pior eu ficava. Assim eu não conseguia fazer o que precisava, muito menos as mudanças que me levariam além.

Um dia a gente cansa de viver neste mundo interno e negar tudo o que é externo. Eu precisei sair desta caixa e foi doloroso, mas também foi legal enxergar o mundo a minha volta e ver como eu realizava vários sonhos quando estava mais calma. A vida encontra possibilidades quando a gente se aceita, quando acolhe a vida, quando entende que pode ser melhor nas coisas mais simples.

Alguns sonhos nunca morrem, pelo contrário, ganham mais força ao longo dos anos. O mistério está em entender o que é um capricho nosso e o que é um sonho que não pode deixar de ser realizado.

Créditos: Imagem retirada do tumblr

Beeeijos e até a próxima! 😉